A necessidade de desabituação à habituação que estamos sendo levados a realizar

Habituação é a capacidade que temos de nos acostumarmos a uma determinada situação, um pseudo-condicionamento, uma plasticidade comportamental. O processo automático faz com que passemos a dar menos relevância a algo que deveria nos mover de forma proativa. No último fim de semana um importante colunista da Folha de São Paulo alertou para um tipo de habituação que, no plano moral, nunca deveria ser normalizado. Nunca poderíamos relativizar, de forma a não dar a devida importância aos fatos, em uma conversa informal trocar 300.000 mortes por 3.000.000 como se fosse a mesma coisa. 

Estamos em um cenário de habituação em relação ao que está acontecendo no Brasil com a epidemia de Covid-19. Estamos há tanto tempo lendo sobre o aumento de mortes que isso já não desencadeia em nós qualquer tipo de reação adequada, que seria no mínimo de exigir dos  governantes medidas efetivas e imediatas para estancar a crise.

É fundamental não nos deixarmos levar para este processo de habituação e incluir o sentimento de percepção consciente nas nossas atitudes. Não podemos nos acostumar com esta manutenção de ostracismo impróprio e inadequado para este cenário.


Abraço, 
Eduardo Pires