“Quando acordei hoje de manhã, eu sabia

... Quando acordei hoje de manhã, eu sabia quem eu era, mas acho que já mudei muitas vezes desde então.” (Alice's Adventures in Wonderland. Lewis Carroll, UK, 1865).
Nas palavras de Lewis Carroll, descobrimos que realidade e fantasia não são duas dimensões mutuamente exclusivas. Ambas estão combinadas em nossa MENTE e resultam no que somos, no que sonhamos e no que podemos ALCANÇAR.

Na verdade, tudo é como queremos ver.
A realidade e a fantasia são duas faces da mesma moeda. Uma das realidades mais impostas pela pandemia é não saber para onde ir, dúvida recorrente durante toda a história de Alice no País das Maravilhas.

Em sua obra, Carroll trata com simplismo e objetividade: “Se você não sabe para onde está indo, qualquer lugar o levará“.

A afirmação sugere que, de uma forma ou de outra, sempre chegamos aonde queremos (ou gostaríamos). O que acontece é que nem sempre temos consciência disso.

Portanto, não importa o caminho escolhido. Qualquer que seja ele, se trilhado com com CONVICÇÃO, nosso coração e mente nos guiarão para o lugar que queremos ir. A única coisa que não devemos fazer é permanecer estáticos, sem escolher qualquer dos caminhos possíveis.

De um certo modo, Alice nunca soube se sua jornada pelo País das Maravilhas foi real ou não passou de fantasia, e talvez fosse essa a principal mensagem de Carroll: a realidade e a fantasia se confundem?
Ou seríamos nós que as confundimos tratando uma como a outra e a outra como uma?

E você?
Vai apenas contemplar o coelho branco passar apressado diante de seus olhos?
Ou não se aguentará de curiosidade e se enfiará na toca dele e poderá descobrir (ou não) um mundo inteiro de novas possibilidades?

O risco é todo seu...

Abraço,
Eduardo Pires