Compliance: conheça prática que traz segurança e evita riscos na gestão empresarial

Crises fazem parte da história de qualquer empresa. Em um cenário econômico marcado por oscilações, seria difícil encontrar uma realidade diferente. Porém, existem estratégias capazes de garantir maior estabilidade e segurança às organizações. Criar um controle interno, por exemplo, é uma forma de estruturar as atividades administrativas, realizando-se, de forma periódica, uma avaliação do ambiente baseada em técnicas de gestão de risco e planejamento estratégico. 

Nesse contexto, entra a Compliance, que nada mais é do que estar em conformidade com as leis, padrões éticos, regulamentos internos e externos adotados pela empresa em relação ao mercado. São basicamente ações colocadas em prática voltadas a garantir relações transparentes entre empresas e o Poder Público.

Os resultados das avaliações de Compliance sinalizam a satisfação dos trabalhadores e o cumprimento com as regras. O gestor precisa elaborar um plano de ação, a fim de que esses indicadores sejam usados para corrigir eventuais problemas. É necessário que haja a participação e engajamento também dos funcionários. Os testes de controle acompanham as mudanças nas dinâmicas de processos e, por isso, recomenda-se um planejamento anual. 

A segurança da informação também é importante quando falamos de gestão de riscos, principalmente pela disseminação dos canais digitais. As ameaças como  roubo de informações e outros tipos de fraude se tornam cada vez mais frequentes. O cuidado a estes aspectos não deve se restringir aos gestores e processos de tecnologia, mas a cada profissional envolvido na entrega de um processo. 

Outro problema são os escândalos de ordem ética no Brasil que ocorrem há alguns anos e que envolvem relações ilícitas entre as esferas pública e privada também tornaram mais urgentes uma estruturação de um arcabouço legal, criminal e regulatório para crimes desta natureza. Então, em 2013 foi decretada a Lei Anticorrupção. O crime, além de trazer sérias consequências ao acusado, prevê multas que podem afetar o lucro das empresas.

PRINCÍPIOS BÁSICOS DA COMPLIANCE E DA GOVERNANÇA CORPORATIVA: 

  1. Transparência (disponibilizar informações do interesse público criando um clima de confiança) 
  2. Equidade (tratamento justo de todos os seus sócios e funcionários, independente do cargo que ocupa) 
  3. Responsabilidade Corporativa (zelar pela sustentabilidade das organizações tendo como objetivo sua longevidade, procedimentos ambientais e sociais) 

Comments powered by CComment

© 2018 Eduardo Pires & Advogados Associados. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Dableo Comunicação.